HOME OFFICE: SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA?

AJUDE O PROJETO A LEVAR CONHECIMENTO PARA AS PESSOAS...COMPARTILHE NA SUA REDE SOCIAL PREFERIDA.

Por Paulo Cezar Gouvea
HOME OFFICE: SUA EMPRESA ESTÁ PREPARADA?

A cada dia as relações e os negócios são construídos por meio de ferramentas virtuais. Ainda que o contato físico, o famoso olho no olho, nunca deva perder sua importância, muitas organizações têm entendido que, a depender da atividade, condicionar o colaborador a ir até o escritório diariamente é enquadrá-lo em uma rotina que não contribui em nada com a criatividade, a inovação e o engajamento.
Pensando em grandes centros urbanos, onde além de tudo o próprio deslocamento é estressante, a jornada ainda pode ser menos produtiva, do ponto de vista de capacidade de criação, desenvolvimento de ideias e inovação, assim como foco e comprometimento com resultados.
Nesse cenário, adotar políticas de flexibilização da jornada e trabalho a distância – home office – fomenta o engajamento, aumenta o sentimento de pertencimento e orgulho do colaborador e promove a inovação.

À medida que as pessoas vão se habituando ao mundo digital e conhecem tantas novas tecnologias que permitem encontros e conexões bem-sucedidas, é natural que elas passem a não entender a necessidade de ir todos os dias ao escritório. Afinal, trânsito, correria, aquele colega que fala alto e tira o foco, chuva lá fora e alagamentos são motivos mais que suficientes para que o colaborador prefira trabalhar em casa, ainda que seja uma vez por semana.

E, quando isso acontece, a flexibilização da jornada e home office passam a ser fatores de atração e retenção de talentos, e, portanto, uma estratégia importante para a empresa. Antes, porém, é importante que a organização se prepare para essa nova realidade. E tudo começa com a capacidade da liderança de fazer gestão por resultado – definir claramente papéis e responsabilidades, estabelecer objetivos e metas e proporcionar aos colaboradores informações claras a respeito da estratégia.

Muitos gestores ainda se sentem mais confortáveis em ter os colaboradores por perto, para que possam distribuir tarefas de última hora (incêndios acontecem!) e fiscalizar a produtividade do trabalho. Ainda que as vezes isso seja necessário, não deveria ser a função principal da liderança, e, portanto, é mais fácil definir como fazê-lo de maneira remota.

Para garantir a produtividade longe do escritório, antes de adotar flexibilizações na jornada, é importante responder a perguntas básicas:

1. A liderança está preparada para delegar atividades, comunicar metas e acompanhar resultados de maneira consistente?
2. A cultura da empresa favorece agendamentos de reunião com antecedência, planejamento semanal ou mesmo mensal?
3. A empresa conta com recursos tecnológicos de comunicação remota (celular, aplicativo de mensagem instantânea, VPN, laptops etc.)?

E, até que a cultura esteja estabelecida, a empresa pode contar com recursos para fiscalizar a produtividade, o que pode ser até mesmo a simples exigência de relatórios que formalizem a atividade de home office com descrição hora a hora.

Mais do que criar um ambiente dinâmico e prezar pela qualidade de vida e bem-estar dos colaboradores, políticas de trabalho remoto podem também significar redução das “despesas de estar”, aquelas que incorrem da presença do funcionário no escritório.

A mudança cultural promovida pela flexibilização da jornada de trabalho pode ser muito positiva. Mas é necessário um projeto cuidadoso, em que os líderes realmente estejam comprometidos com o sucesso. Como em todo projeto, uma fase piloto com métodos mais rigorosos de controle da jornada de trabalho como o relatório hora a hora aqui mencionado é fundamental. Política transparente, regras claras e treinamento sobre comportamento e resultados esperados no home office são condições básicas antes de qualquer mudança. Pelo menos no início, também é recomendado manter o posto de trabalho disponível – se o colaborador não se adaptar, ele pode simplesmente vir ao escritório, e a empresa poderá medir a aderência. Também é muito importante, é claro, avaliar todos os impactos legais trabalhistas que as alterações na jornada de trabalho podem provocar. Além de ser um indicador importante para a marca empregadora da empresa, modernizar a jornada de trabalho com home office e entrada e saída com horários flexíveis, por exemplo, fomenta a capacidade de criação e aumenta o compromisso com a empresa.

Quem não gostaria de ter pelo menos um dia da semana sem pegar trânsito? Ou mesmo um dia trabalhando com a vista preferida? O quanto os colaboradores se dedicariam a mais a uma organização que pensa na conveniência e no bem-estar do indivíduo? O quanto a organização pode esperar de novas ideias, inovação e criatividade dos colaboradores que têm a sua disposição a oportunidade de trabalhar em lugares mais inspiradores? Vale a reflexão.

Por Fábio Bier, gerente de RH da Husqvarna para América Latina
Fonte: https://revistamelhor.com.br

Vale a reflexão!

Paulo Cezar Gouvea, Especialista em Planejamento Estratégico e Gestão da Qualidade, é também Bacharel em Administração, casado, possui uma filha e escreve por gostar dessa que também é uma das mais belas formas de se expressar. Tem passagens pelas Áreas: Administrativa, Financeira, Logística/Operacional e Recursos Humanos.

0 comentários:

Postar um comentário

Cursos Mais Realizados

Receber Cursos por E-mail